Os 3 Princípios da Economia Circular

May 28, 2021

Ajudamos empresas a promoverem soluções de impacto positivo para o planeta. Desenvolvemos uma das primeiras plataformas de software do mundo para medir, qualificar e agregar emissões de gáses de efeito estufa. Nossa equipe consultou mundialmente nossos clientes e parceiros do setor sobre a monetização dos seus esforços ambientais, sociais e de governança (ESG). Ao mesmo tempo que nos orgulhamos de tudo o que já realizamos, estamos muito focados no futuro e em novas maneiras de alcançar nossos objetivos. A nossa inspiração mais recente é a Economia Circular. 

Os especialistas membros da equipe de Comunicação de Sustentabilidade da Radicle possuem uma certificação especial em Economia Circular (Design for Sustainability) pela universidade Technische Universiteit Delft na Holanda. Nos reunimos com os membros da Unidade de Comunicação de Sustentabilidade da Radicle – Claudia Aguirre, Diretora de Estratégia, e Jennifer Dooley, Estrategista Sênior, para entender o que é a Economia Circular. 

P. O que é a Economia Circular?

“Eu fiquei sabendo sobre Economia Circular quando fiz meu treinamento na Fundação Ellen MacArthur, no Reino Unido. Eles explicam que a Economia Circular é diferente do modelo industrial extrativista do tipo “pegue-produza-descarte”, porque, ao invés disso, elimina os resíduos do sistema, gerando capital econômico, natural e social. Basicamente, a Economia Circular dissocia a atividade econômica de consumo dos recursos finitos”, explica Claudia. 

Jennifer acrescenta: “Parece complicado, mas a Economia Circular baseia-se realmente em três princípios simples: eliminação de resíduos e poluição, manutenção de produtos e materiais em uso, e a regeneração dos sistemas naturais”. 

P. Vocês podem nos contar um pouco mais sobre o primeiro princípio – eliminando resíduos e poluição?

“O primeiro princípio – eliminar resíduos e poluição – pede que as empresas repensem e questionem a cadeia de suprimentos para evitar resíduos e poluição. Se isso é realizado no início do desenvolvimento do produto, temos o melhor cenário”, diz Claudia. Ela segue dizendo que “muito dos resíduos que liberam gases de efeito estufa no meio ambiente vêm de resíduos estruturais, poluindo o ar, a terra e a água”.

“Veja o exemplo da Tru Earth, fabricante de detergente para máquinas de lavar, que atualmente participa do nosso programa de certificação Climate Smart Certification”, descreve Jennifer. “A Tru Earth eliminou totalmente os resíduos do processo de lavagem de roupas. Eles usam um detergente em tiras que gera zero resíduos e vem em uma embalagem de papelão compostável. Cada tira do produto de lavagem se dissolve completamente ao entrar em contato com a água. Os ingredientes são hipoalergênicos e ecologicamente corretos!”   

P. E o segundo princípio? O que significa manter produtos e materiais em uso?

“O segundo princípio tem tudo a ver com reimaginar uma economia que não use intensamente os recursos finitos, mas, ao invés disso, reutilize, refabrique ou recicle”, diz Jennifer.

Claudia acrescenta: “O objetivo final é usar produtos, componentes e produtos biológicos para impactar, de forma positiva, a economia e o meio ambiente. Veja o caso da empresa de sabonetes e sabão Rocky Mountain Soap. Seus sabonetes líquidos, condicionadores e shampoos são vendidos em embalagens de refil de 1 litro; os clientes devolvem as embalagens na loja, que as envia de volta à fábrica onde são higienizadas e, em seguida, reutilizadas! E essa não é a sua única inovação: o último lançamento de produto de beleza deles é uma linha de batons coloridos, vendidos em embalagens biodegradáveis.

P. Explique para nós esse último princípio – regenerando os sistemas naturais. Como uma empresa consegue fazer isso?

“Pense assim: será que nós, como empresa, podemos não apenas proteger, mas também melhorar o meio ambiente? E se pudéssemos não apenas preservar os recursos renováveis, mas também devolver os recursos para o solo para ajudar na regeneração?”, indaga Jennifer.

Claudia acrescenta: “Pegue o exemplo do plantio de conservação. Os serviços de agricultura da Radicle recompensam o produtor rural que utiliza plantio direto para reter o dióxido de carbono no solo, ajudando a mitigar o impacto da agricultura sobre a mudança climática”.

P. Como posso saber mais?

 “Na Radicle, estamos empenhados em ajudar a sua organização a contar a sua história de circularidade para o mundo. Entre em contato conosco e a nossa equipe de Comunicação de Sustentabilidade traçará seus planos de integração da Economia Circular e as suas estratégias de mudança social!”.

ENTRE EM CONTATO CONOSCO.